quinta-feira, 4 de setembro de 2008

POCEIRO

“Não existe doença, sim pessoas doentes”
“Vós sois Deuses”
POCEIRO

Desenhando os quatro cantos do inferno
Relembrando todas as cores do paraíso
Estão próximos os dias do inverno
Mesmo assim mantenho meu sorriso
Dos medos que pontuaram o meu espaço
O orgulho de da guerra Ter saído vivo
Hoje, aconchego-me em meus próprios braços
Pois das veias que neles correm, são o que mais preciso
A cólera envolta na própria covardia
O medo de Ter ido dormir no escuro
A coragem de matar um leão por dia
O êxtase de se pagar tudo com juros
Polemizei tudo em minha barata filosofia
Fiz escorrer o sangue que nem a mim pertencia
Joguei fora de mim mesmo todos os melhores dias
Mas não sabia que os melhores dias ainda viriam
Escondi-me dentro de possessões que nunca foram minhas
Banhei-me em lágrimas em um rio seco
Fiz-me morto, estando vivo
Fiz-me cego, enxergando ao longe, tão longe que era incapaz de ver a mim mesmo
Condoí-me de toda a minha dor, que nunca fora dor
Achei-me homem, brincando dentro de um berço
Rezei um terço
Mas recusara-me sempre a pagar meu próprio preço
Então fiz-me louco
E fui louco
Louco ao ponto de crer que era pouco tudo o que eu construi e destrui
Eu ri
Morria um pouco a cada dia, envergando-me dentro do meu medo
Medo de mim
Medo do que eu fui e era
Andei nas trilhas da morte procurando a vida na ascendência de uma hera
Percorri as esferas da dor enquanto cerrava meus próprios pulsos
Alimentava os fragmentos de minha alma com preces...
Preces mortas...
Paciente terminal de uma enfermidade que existia de fato...mas não de direito
Cruzei os recôncavos da dor sem Ter merecido
Morria sem nunca Ter nascido
Mirei minha própria testa por ódio à vida
Praguejei os malditos espermatozóides que me colocaram ao mundo
Culpei a Deus e a todo mundo
No calvário me crucifiquei sozinho
Em porões
Em prisões
Fiz da dor, que não me pertencia, minha opção de vida
Dei a ela o que ela não merecia
E o demônio do meio-dia, sequer fora capaz de me falar que renasceria um dia
Mas como Lázaro, sepultado há três dias
Vi-me a procura da vida por meio da morte
E na alucinada busca da morte
Encontrei a vida
E no retorno dessa sagaz viajem
Vi em mim mesmo a própria coragem
E o Deus longe e distante
Cintilava dentro de mim o resplendor de sua imagem.

Sérgio Ildefonso Abr/2004
· Citações de André Luiz por Chico Xavier
· Citações de Whilian Sheakeaspeare
· Citações de Alan Kardec
Copyright by Sérgio Ildefonso 2004 © Todos os Direitos Reservados
sergioildefonso@uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.Sua opinião é muito importante!
Se quiser fazer parte desse Blog, entre em contato com larissavaz.fadel@gmail.com

" a lição sabemos de cor, só nos resta aprender!"
Larissa

O INÍCIO

Tudo começou pelas idéias e confesso que demorou até chegar ao papel. Depois de alguns anos, os papéis ficaram amarelados e resolvi digitar tudo. Então percebi que era muita coisa, muitos sentimentos, muitas flores e muitos espinhos.O incentivo que dava à minha mãe para publicar um livro, passou ser o meu incentivo.Nos meus escritos, por assim dizer, tem um pouco de tudo, um pouco da vida, falo da natureza, das coisas simples, sofisticadas, de mim, de alegrias, triztezas, decepções, drogas e vontade de ver pessoas cada vez melhores a fim de construir , ou reconstruir esse mundo para legá-lo a gerações futuras.Sou jurista e não advogada. Não advogo porque não é minha vocação. Adoro ler e estudar, por isso migrei para a área científica do Direito.A minha verdadeira vocação é ARTES. De todo tipo: Dança, teatro, Artes plásticas, música, fotografias!Sou do tipo de tem ALMA DE ARTISTA. Sou cheia de ideais e esse fato muitas vezes me leva à profundas decepções, mas também tem suas recompensas. Então fico com as recompensas!Tenho um propósito bem latente hoje: O COMBATE ÁS DROGAS. A Droga é um Câncer e não prejudica e mata só quem a utliliza, destrói também a família.Poesia, hoje para mim, é um modo de vida. Uma maneira que encontrei para descarregar sentimentos oprimidos. Então escrevo muito. Tenho poesias mirabolantes até as mais singelas.MÚSICA: ahhhh, a música, o que seria do ser humano sem uma melodia. Apesar de já ter feito piano, violão e flauta, não toco, mas gosto de ouvir as mais variadas canções e os mais variados artistas. Comecei a valorizar também a música sem rótulos. Sim. Aquele que seu vizinho compôs e você acha bonita, aquela que você compôs e gostaria de gravar. Eu, por exemplo tenho várias letras de músicas, só falta a melodia-por pouco tempo!O verbo desse blog é FAZER!Já deixei de ficar de braços cruzados a muito tempo. Sempre fiz. No meu tempo...mas sempre fiz!Consigo hoje, pensar 10 vezes antes de falar, pois posso magoar alguém ou minha fala pode ser fruto de uma mentira ou fofoca, então procuro cultivar a fala amorosa e deixar de lado a fala imprópria e inadequada.Por muitos anos analisei a palavra PERDÃO; e sinceramente acho muito difícil perdoar. Então arranjei uma saída: NÃO ME OFENDER! Dessa forma não preciso perdoar, porque não fui ofendida.Gosto muito de ler e estudar filosofia e ultimamente estou estudando doutrinas e religiões orientais.Apesar de não parecer, eu tenho uma tremenda habilidade para falar em público, principalmente com a platéia cheia. Quanto mais gente melhor.A DANÇA: é minha asa. Dançando consigo voar, plainar...Gosto de danças nas suas diversas formas, só não me convide pra dançar Funk.ARTES PLÁSTICAS: a pintura , seja ela qual for é o nosso retrato do dia. Gosto muito de pintar. Me relaxa e eu viajo nas cores. Gosto de Monet, Picasso e Portinari. Acho Da Vinci incrível, mas não faz meu estilo. Bem, adoro artistas desconhecidos, aliás são os que eu mais gosto.Quando a gente cresce, percebe que ser uma constante na vida é praticamente impossível. Nós somos seres de "altos e baixos", principalmente nos dias de hoje, onde as doenças mentais cresceram absurdamente. As pessoas hoje são tão preocupadas, correm de um lado para outro, as crianças sofrem de hiperatividade, ninguém tem gentileza no trânsito, ninguém tem mais paciencia.O mundo precisa urgente de uma palavrinha mágica chamada TOLERÂNCIA! A TOLERÂNCIA no meu ponto de vista, é a bola da vez desse século. E quando digo tolerância falo de sentido amplo. Tolerancia no trânsito, no trabalho, dentro de casa, ao telefone, com amigos, com estranhos, com a natureza, com o planeta, com VOCÊ! Sim. Temos que ser tolerantes com nós mesmos também. Se eu não consigo ser tolerante e amável comigo mesma, como conseguirei ser com quem está ao meu lado?É isso, aos poucos todos que entrarem ou participarem desse blog irão me conhecer um pouquinho melhor e o mais importante, se esforçarão para ser pessoas melhores.COMO NÃO POSSO MUDAR O MUNDO, VOU COMECAR PELAS PESSOAS!Larissa

Loading...